ShiftT

A Pavimentação da Estrada para Geração de Valor

10/12/2021

8 minutos de leitura

282 visualizações

inova

Compartilhe:

O ano está acabando e estou aqui pensando nas minhas metas para 2022. Mas, antes, acho que vale contar um pouquinho desse meu primeiro ano de vida. Nasci com um propósito claro: unir as competências da Tupy às de startups para gerar valor compartilhado e fortalecer o ecossistema de Inovação. Para atingir esse resultado não basta intenção. É necessário muito trabalho! E é sobre isso (desculpe o clichê) que vou contar neste texto. 

Tudo começou pelo meu nome, que já foi pensado para transmitir muitas mensagens. Os grandes S e T, nas margens de ShiftT, remetem às Startups e à Tupy que, juntas e em pé de igualdade, trabalharão para que toda a proposta vire valor. 

Mas, como disse, o nome foi só o começo… Na Tupy, outras reflexões também estavam ocorrendo. Nós (afinal, também faço parte do time) temos muito orgulho dos componentes estruturais que desenvolvemos e fabricamos, eles contribuem com o desenvolvimento em muitos setores. Mas, é importante lembrar que as nossas competências vão muito além de nossas aplicações. Elas estão no conhecimento que nos habilita a oferecer soluções de qualidade, competitivas a nível global.  

Olhando sob essa perspectiva fiquei ainda mais encantada. Ver que, lá em 1935, a Tupy era uma staturp em busca de conhecimento, que viabilizou seu MVP e deu origem a essa história de 83 anos. Ao longo dessa jornada, vi que a Empresa tem uma capacidade de responder aos movimentos do mercado e da sociedade promovendo qualidade de vida.  

Mas, eu, ShiftT, ainda sentia falta de alguns elementos claros que eu pudesse me sentir segura no meu Pitch (sim, eu também tenho que fazê-los) com as startups. Então, fui pesquisar mais sobre os ativos da Tupy.  

As unidades: olho para as plantas e só vejo grandes parques de validação. Isso sem contar os laboratórios, que estão disponíveis para apoiar os empreendedores. 

Conhecimento e experiência: domínio dos elementos químicos, engenharia de ponta, vanguarda em processos de transformação, gestão de negócio global, logística, credibilidade com uma carteira de clientes globais, parceria com os fornecedores.  

Essas são algumas das competências que permitiram à Tupy alcançar seu patamar atual e que, somadas às novas, vão levá-la a construir o próximo capítulo de sua história. 

Mas, de todos os ativos que conheci, sem dúvida, o principal são as pessoas. Nossa, adoro toda aquela equipe. Tanto que alguns dos líderes da Tupy passaram a ser também mentores, transferindo todo esse conhecimento para as startups aceleradas. 

Sei que os contextos que cercam os empreendedores e os profissionais de empresas maduras são diferentes e que isso leva a visões diferentes do mundo. E isso é lindo! A soma das diferenças é que faz a gente inovar e gerar valor. Mas para isso é preciso buscar conhecer outras realidades. Pensando nisso, todos os mentores fizeram uma formação ministrada pelos parceiros da SPIN Capital. Nessa jornada de 3 meses, eles tiveram contato como nova economia, tecnologias emergentes e ferramentas ágeis. Conhecimentos que vão ajudá-los a entender melhor os desafios das startups e que também vão poder aplicar na Tupy. 

Sei que não estou sendo muito sucinta, mas, é que essa é uma história tão rica, que vale compartilhar cada detalhe que a ajudou na definição do perfil de startups que traria o maior potencial de geração de valor conjunto. 

Comecei pelo mais simples: as startups que poderiam ser validadas a partir da aplicação de sua proposta de valor na Tupy. Chamei esse grupo de “Sinergia Tupy”. São as soluções para rota de descarbonização, energia, nova metalurgia e processos de transformação. 

Considerando o parque industrial e processos administrativos da Tupy, não poderia deixar de elencar as soluções digitais, seja para aplicação na planta (IIoT e gestão de ativos) ou pensando em rastreabilidade, redução do uso de papel e ganho de eficiência em processos de qualquer natureza. 

As tecnologias emergentes podem e devem mudar a forma como os negócios são feitos. E quero contribuir para mudanças que aumentem acesso a insumos básicos e qualidade de vida. Por isso, também pensei em startups que proponham novos modelos de negócios em mercados nos quais a Tupy possa apoiar como agricultura, bens de capital, construção civil, hidráulica e infraestrutura. 

Desenvolvimento Sustentável também está na agenda, e acredito que há muitas soluções de grande impacto socioambiental com viabilidade econômica que posso contribuir para impulsionar. 

Já sabendo as startups que queria me aproximar, fui conhecer mais sobre elas e foi conversando com várias delas que desenhei minha proposta de valor. Além de toda a estrutura e mentoria já mencionadas, percebi que receita faz toda a diferença. E é por isso que, independentemente do estágio de maturidade da solução, a startup que vier a trabalhar comigo será remunerada.  

Aprendi também que respeito e integridade, valores da Tupy, precisam estar explícitos em compromissos. Por isso, não tive dúvida em assumir publicamente que a Propriedade Intelectual e talentos das startups serão respeitados. 

Com tudo isso em mente, eu me senti confiante em me apresentar ao ecossistema. E quanta alegria com a forma que fui recebida!  

Pude conversar com esse Brasil todo! Do ecossistema de Belém ao de Porto Alegre. Como é bom conhecer culturas diferentes e aprender com elas! Uma pena que tive que fazer tudo virtualmente. Para o meu próximo ciclo, espero fazer muitas visitas!  

Vocês não imaginam como tive trabalho para selecionar meus finalistas. Os critérios de elegibilidade não foram suficientes, pois foram muitas soluções boas inscritas entre as mais de 100 interessadas em serem aceleradas por mim. Ainda assim, consegui selecionar 75 para os especialistas técnicos das mais diferentes áreas da Tupy avaliarem. Depois de muito ouvi-los, cheguei às minhas 13 favoritas e pedi ajuda da diretoria da Tupy. Com o olhar estratégico desses parceiros, consegui chegar às 8 startups que entraram na fase de pré-aceleração, uma fase tão ou mais importante que a aceleração em si. E levamos isso muito a sério! 

Um escopo de trabalho bem definido para a prova de conceito, indicadores claros e consensados entre startup, Tupy e meu time foram essenciais para escolher as soluções que seriam levadas à aceleração. Entender se a Tupy tinha todos os elementos para entregar o que as startups aceleradas esperavam foi outro critério do qual não abri mão. Em resumo, a pré-aceleração foi o momento para garantir que todos ia fazer a prova de conceito vestindo a mesma camisa. Só assim startup e Tupy poderão extrair o máximo valor dessa jornada. 

Agora, enquanto alguns planejam as férias, eu anuncio que: vem aí! Sim, vamos começar 2022 acelerados, apresentando quem são as startups que estarão conosco nesse primeiro ciclo. Até lá, me conte o que você achou da minha jornada até aqui. Vamos fazer essa retrospectiva juntos. 

inova

Compartilhe: